Categorias

#INTERCÂMBIODAÉRICA: INTRODUÇÃO

Marcadores:
Geeeeente!! Hoje eu venho apresentar para vocês a nova colaboradora aqui do blog... O nome dela é Érica Schuller e ela a partir de agora, vai compartilhar aqui no blog, todas as novidades do intercâmbio dela. Ela fez um post incrível de introdução, contando como tudo começou.... Vamos para Hungria com a Érica?! hahahaha...

Bom, primeiro vou me apresentar. Meu nome é Érica Schuller, tenho 21 anos e estou no meu sexto semestre de Engenharia Mecânica. Sou estudante regular da PUC-Minas mas atualmente estou em intercambio em Budapeste, na Hungria. Ok, eu também não sabia que Hungria era um país, muahaha. Há um ano e meio atrás eu resolvi fazer um intercâmbio então entrei na página do Ciência sem Fronteiras (veja apresentação do programa no final do post) e olhei os países que eu poderia ir. Estados Unidos não me interessava por ser muito clichê (não estou desprezando heim gente, eu amo a América, embora nunca tenha visitado), é que eu queria algo diferente, bem, tinha Espanha, Italia, França, Inglaterra, e outros.. mas eu queria algo ainda mais diferente, até que eu vi esse nomezinho, Hungria e fui pesquisar. País do leste europeu, com uma capital maraaaaavilhosa, moeda barata, localizada estrategicamente o que era uma super vantagem porque queria viajar muito. Pronto, destino acertado, passei nas provas e aqui estou eu. 


Há 10 meses, exatamente no dia do meu aniversário de 21 anos eu entrei no avião para a maior aventura da minha vida. Eu queria me lançar nessa jornada de cabeça, sem preconceitos, desarmada de mim mesma, eu poderia ser quem eu quisesse! Eu poderia ser uma nova pessoa, iria fazer novas amizades, estudar em outra universidade, morar em um lugar diferente. O intercambio é como uma interrupção no livro das nossas vidas, um capitulo contando uma nova historia. Como eu costumo dizer, “eu não sou daqui, eu não vim pra ficar, eu tenho a liberdade de fazer o que eu quiser”, e é essa sensação que mais faz valer a pena essa experiência.




Bem, eu já aprendi muitas coisas com essa experiência de intercambio e já ouvi muitas vezes por amigos e pessoas que estão no Brasil de que vai ser muito difícil pra mim voltar pra casa. Porque tudo aqui funciona muito bem, porque as pessoas são mais maduras. E vou confessar, no início era o que eu pensava, eu pensava em voltar para o Brasil apenas para terminar os estudos e então ir embora, quem quer viver em um país onde reina a corrupção, onde o transporte é uma piada, onde a educação e saúde são sempre deixados para segundo plano? Bem, eu não quero, mas também não quero deixar o meu país. De todas as lições que eu tive durante este intercambio a mais importante foi o amadurecimento, a conscientização do mundo que existe aqui fora, e que tudo o que eles tem de melhor o Brasil também pode ter. Eu particularmente anseio por voltar para o Brasil e fazer a diferença, lutar por um país melhor porque eu acredito. Se você pensa em fazer um intercâmbio tenha em mente que das duas uma, ou você vai ser uma pessoa como eu que tudo o que vê aqui vai querer para o nosso país, ou que tudo o que você ver vai comparar com o quanto é ruim no Brasil e nunca mais vai querer voltar. Mas o mais importante, você vai se tornar uma pessoa crítica, capaz de argumentar melhor sobre questões que você nunca pensou antes. 





Prepare-se para sentir falta de sua família, de seus amigos. Para sentir falta da comida brasileira, porque embora você vá provar de tudo quanto é tipo de comida, nenhuma é como a brasileira.  Prepare-se para descobrir que não existe lugar perfeito, o Brasil tem seus pontos negativos assim como todos os outros países que você visitar. Prepare-se para encontrar com um brasileiro a cada esquina e ajuda-lo se ele estiver perdido, porque você também vai precisar de muita ajuda. Parafraseando Lana del Rey “I believe on the kindness of the strangers”, traduzindo: “Eu acredito na bondade dos estranhos”, esse é um dos meus lemas para sobreviver aqui. Prepare-se para ver os nativos rindo muito de você tentando falar o idioma deles e você também rindo muito deles tentando ensina-los português. Prepare-se para aprender a cozinhar, a dividir um apartamento com um amigo ou até mesmo um estrangeiro, o que não é fácil, mas tudo bem, aprende-se mais do que se espera. Prepare-se também para ficar linda! Pelo menos aqui na Europa as pessoas se vestem muuuuito bem, eu particularmente amo de paixão o inverno por causa dos looks, hehehe. E fica a dica, as roupas, calçados e makes são em geral mais baratos que no Brasil! E para terminar, prepare-se para ser maravilhada, acumular experiências, fazer amizades. Como disse Mário Quintana, “Viajar é mudar a roupa da alma”. É uma experiência incrível e eu estou super ansiosa por partilha-las todas com vocês. Espero que como eu, você tenha a oportunidade de vestir sua alma com tantas roupas coloridas quanto foram as dos anos 80, rsrsr. 
Um súper beijo, e até o próximo!!!!!!
Por: ÉRICA SCHULLER

2 comentários:

  1. Tudo que eu tenho a dizer é: Que sonho meu Deus,haha.É preciso se adaptar mas,claro que vai valer a pena.
    Beijos

    brilhoestilo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que sonhoooo! Mal posso esperar por mais posts contando sobre a experiência, Érica!
    Beijos

    http://lendoemparis.blogspot.com

    ResponderExcluir